Jefferson Moura: “Me filiei ao PCdoB para me somar a luta por um projeto consequente para o país, de defesa da democracia e da unidade do campo dos trabalhadores”

Jefferson Moura

Jefferson Moura é Sociólogo, Doutor/Faculdade de Serviço Social – UERJ e servidor concursado do Tribunal de Contas – TCE/RJ

 – Por que escolheu o PCdoB?

Jefferson Moura: Como diz o poeta Thiago de Mello: “Faz escuro, mas eu canto, porque a manhã vai chegar (…)”. Minha militância política começa em 1988, com 14 anos em Volta Redonda, trago marcado no coração a  memória de Willian, Walmir e Barroso assassinados na greve de 9 de novembro daquele ano.

Na Pastoral da Juventude formei meus primeiros questionamentos à injustiça e a dor de nosso povo e depois me inseri no movimento  estudantil secundarista e já no Rio  no DCE da UERJ. Na cidade do Rio de Janeiro forjei-me dirigente partidário, fui candidato a governador em 2010 e em 2012 fui eleito vereador. Coerente com minha trajetória, me filiei ao Partido Comunista do Brasil para me somar a luta por um projeto consequente para o país, de defesa da democracia e da unidade do campo dos trabalhadores.

Como vereador, abri mão de acumular o salário de vereador e servidor, e acabamos com o 14º e 15º salários. Fui responsável pela criação da CPI das Olimpíadas, presidente da Comissão de defesa dos direitos humanos, da Comissão Especial de transparência nos gastos públicos e estive nas lutas  em defesa da educação integral e dos profissionais da educação, participei da conquista das 30h da assistência social e psicologia municipais.

Fui o vereador responsável pelo tombamento da Escadaria Selarón, na Lapa; pela proposta do  Código em defesa dos animais,  pela CPI das Bikes, que investigou os roubos de bicicletas e propôs soluções de mobilidade, além  da muitas outras ações.

– Como você vê o atual estágio da luta pela democracia, contra o golpe e a importância da campanha “Lula Livre”?

Jefferson Moura: Nossa jovem e frágil democracia, consagrada na constituição de 1988 por lutas heroicas do povo organizado e das forças democráticas e de esquerda, corre gravíssimo perigo. A crise política e seus desdobramentos econômicos e sociais agravaram-se aceleradamente desde o golpe de 2016 e evoluem para uma crise institucional que ameaça generalizar-se em crise do regime político brasileiro. A prisão eminentemente política de Lula para retirar-lhe o direito de participar das eleições é a tentativa de encarcerar os ideais da esquerda brasileira, por isso lutar por sua liberdade é uma tarefa de todos os democratas.

– De que forma avalia a situação da cidade do Rio e do estado?

Jefferson Moura: A delinquência política vem marcando nosso Estado e nossa cidade. Pezão reproduz  aqui, o que Temer tem tentado fazer com  o Brasil. Ambos potencializam os ataques sobre os trabalhadores, sugam o fundo público, entregam nosso patrimônio buscando aprofundar as medidas econômicas neoliberais. Não bastasse isto, blindam os interesses da elite dominante, enquanto a barbárie e a violência se generalizam. No município, o clientelismo político avança e a ausência de uma política para a cidade se explicita. Pezão e Crivella parecem representar dois lados, de uma só moeda.

– Como você avalia a situação do RJ com a intervenção?

Jefferson Moura: Formando um complexo mecanismo de intimidação, contenção e repressão, se explicita no Rio a lógica de criminalização da pobreza. Nas favelas, periferias e subúrbios, multiplica-se o poder das milícias e do narcotráfico, que se entrelaçam com os interesses de setores políticos. É lamentável ver nossas forças armadas servindo aos interesses eleitoreiros e subservientes do governo ilegítimo de Temer.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s